In Solitude – “Reflections”

Nas mãos do destino

Por Phil Peres

Hoje podia vos ter trazido o álbum de estreia, o aclamado “Eternal”, mas desta feita venho falar da demo-tape que o antecipou, “Reflections” de 1996. O quinteto do Porto formado em 1995 por Augusto Peixoto, já conhecido baterista dos Dove, e no ano seguinte, gravaram a promo-track “Children Of The Dark”. O som andava bem longe do thrash metal de Dove a que Augusto já nos havia habituado, tocado agora algo mais melancólico, melódico e soturno com algumas influências de bandas como Paradise Lost ou Lake Of Tears. Ao longos destes 4 temas bastante orelhudos podemos encontrar algo que era raro naquela altura, quer em Portugal, quer no resto da Europa, onde as melodias da guitarra de Tiago Sousa e de baixo tocado pelo Eduardo Borges eram agora acompanhadas pelo teclado bem audível e chegado “à frente” de Lisa Amaral e uma voz capaz, forte e melódica de Sérgio Martins, além do já citado Augusto Peixoto na bateria.  Não há tema a recomendar porque são todos de qualidade acima da média, até mesmo a introdução, o melhor é mesmo ouvir este 14 minutos e deixarem-se ir.

Baú do Dr. Phil #68: In Solitude – “Reflections”

Baú do Dr. Phil |