Espiral – “Cuando Vuelve El Sol”

Hoje, dia 1 de junho de 2021 comemora-se o primeiro aniversário do lançamento de “Cuando Vuelve El Sol”, o quarto trabalho dos ceutís Espiral. Não será novidade para muitos a minha paixão por esta banda, mas muitos outros haverá, que nunca dela ouviram falar. Assim, e como inauguração desta rubrica convido-vos a conhecer os Espiral e um pouco da sua história.

Nascidos em Ceuta, no ano de 2001, os Taberna de Moe surgem já na maturidade dos seus membros fundadores, que após vários anos afastados da música e dos palcos, decidem reunir-se para formar o projecto que, no ano de 2005, daria origem aos Espiral. O mote para a mudança de nome, e de sonoridade, foi a mudança do vocalista. A banda assume um heavy rock moderno, em que os tons melódicos se misturam com os guturais de Jorge Jordan e o seu álbum de estreia “Espiral” (2006), esgota rapidamente. A banda segue activa e em 2009 lança aquele que foi até 2020 a sua grande aposta – “Contratiempos” – um álbum forte, melódico, muito bem produzido e que define a sonoridade da banda – emoção, paixão, sentimento. Letras que falam de temas fortes, como a violência de género, o sofrimento infantil, as relações amorosas que falham, a falsidade das aparências… Mas “Contratiempos” não foi apenas o nome de um álbum que podia ter sido a porta de saída para uma carreira além-Ceuta, e as expectativas não se concretizam. Com alguma actividade na cidade natal, chega-se ao ano de 2014 e ao terceiro álbum, “Cicatrices”. Este álbum é um grito de revolta, um grito que vem da alma, uma necessidade de um espírito inquieto. E é assim, porque é gravado na fase em que a banda se despede do seu vocalista, que se vê obrigado a mudar de cidade devido a compromissos profissionais. “Cicatrices” é ele próprio, um álbum dorido, que sai das entranhas e nos rasga os sentimentos. Mas todas as cicatrizes doem e precisam de tempo para curar e durante 4 anos os Espiral apenas compõem instrumentais, passando por uma fase menos activa, acomodada e com alguma apatia. Até que surge o abanão que os desperta de novo, ou melhor a derrocada do tecto da sala de ensaio. Procurar um novo espaço para ensaiar mostrou aos elementos da banda que afinal queriam continuar, que a paixão não se derrocou com o tecto. E assim, como uma fénix que se prepara para renascer, surge o anúncio “Procura-se vocalista”, vocalista esse que rapidamente aparece e que é nada mais nada menos que Alberto Mateos Miranda, lenda viva do heavy rock de Ceuta (ex-vocalista de Tharna, banda ceutí dos anos 80, muito acarinhada por toda a cidade). O registo vocal de Alberto, sendo um registo completamente diferente do de Jorge, leva a banda a fazer novos arranjos aos temas já existentes. O resultado é visivelmente satisfatório para todos os elementos da banda, que num misto de celebração e renascimento, decidem gravar o quarto álbum, composto por oito temas dos trabalhos anteriores, um instrumental, uma versão de um tema de “Tharna” e um tema inédito. Esse tema inédito, escrito por Alberto, dá nome ao álbum e simboliza a nova fase: “Cuando Vuelve El Sol”. Apesar de ser uma letra que fala da ausência, da saudade de alguém que partiu, da falta que se sente dos que estão longe, o videoclip foca a problemática do Alzheimer, que não sendo o tema central da música, se enquadra na perfeição.

E assim chegamos a 1 de junho de 2020 e a um álbum que, em plena fase de confinamento e sem que, até ao dia 22 de maio de 2021, tivesse sido tocado ao vivo, leva os Espiral pelo Mundo: toca em rádios de Portugal, Espanha, Reino Unido, América Latina. É vendido para países de todos os continentes, desde o Canadá ao Japão. Recebe críticas positivas das mais diversas publicações, sites, blogues e até imprensa escrita como o caso da La Heavy. Sem concertos, a banda não desmotiva e mantêm-se extremamente activa nas redes sociais. Toda esta actividade desperta interesse de promotores de streaming e surgem convites da Argentina, de Portugal e de Ceuta, os quais a banda aceita, fazendo um investimento notável para que esses streaming sejam o mais próximo de um concerto com público (Gran Rockea, Kriminal Fest, Rock en Las Murallas Reales e Ceuta – Teatro Revellín). Lançam um lyric vídeo e três videoclips, um deles extraído de um dos streaming. Entretanto, os Espiral estão já em fase de composição para o próximo álbum e em simultâneo preparam uma tour ibérica para o Outono, que passará pelo Porto.

Os Espiral são:
Alberto Mateos Miranda – voz
Antonio Jurado Garcia – bateria
Jose Luis Corrales Silva – guitarra
Luis Zapater – guitarra
Rogelio Mateo Pitalua – baixo

Discografia:
“Espiral” – 2006
“Contratiempos” – 2009
“Cicatrices” – 2014
“Cuando Vuelve El Sol” – 2020

Rosa Soares, 01.06.2021